sexta-feira, setembro 18, 2020
Home Destaque Setembro Amar...

Setembro Amarelo: depressão em idosos pode estar relacionada à baixa visão, alerta oftalmologista

Segundo Paula Carrijo, problemas oculares não tratados comprometem atividades rotineiras e agravam desajustes psicossociais. Taxa de suicídio acima de 70 anos é maior do que a média.

 A falta de acompanhamento oftalmológico na terceira idade pode levar a problemas que extrapolam a saúde ocular. Desajustes psicossociais, como a depressão, podem ser agravadas pela baixa visão que, por ser considerada uma condição comum nesta fase da vida, muitas vezes não é devidamente diagnosticada e nem tratada, levando ao comprometimento da qualidade de vida.

O alerta é da oftalmologista Paula Carrijo e vem em um momento oportuno: o Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio. De acordo com dados do Ministério da Saúde divulgados em 2018, a média de suicídio acima dos 70 anos é de 8,9 mortes por 100 mil e está acima da taxa nacional, que é de 5,5 por 100 mil.

“A visão é um sentido extremamente importante para o ser humano. Quando ele está comprometido, atividades simples e prazerosas do nosso o dia a dia são afetados, como ler, cozinhar, assistir TV. O impacto disso para um idoso se torna ainda maior, porque pode agravar comorbidades já comuns nesta faixa etária, relacionadas a incapacidades funcionais e à própria dinâmica da vida no envelhecer”, explica a médica.

A depressão, além de ser frequente na população idosa, é uma doença incapacitante por provocar a perda de interesse pelas atividades e profunda tristeza. A baixa visão pode agravar esse distúrbio mental e levar a outras consequências importantes, como intoxicação por ingestão de remédios trocados, quedas e atropelamentos.

 

Doenças oculares comuns na terceira idade

Catarata, glaucoma e degeneração macular relacionada à idade (DMRI) são algumas das doenças oftalmológicas mais comuns nos idosos e que estão relacionadas à perda gradual da visão. Paula Carrijo lembra que, embora ocorram com frequência, não significa que o envelhecimento seja uma sentença para enxergar mal.

“Com o devido diagnóstico e tratamento, é possível recuperar a nitidez da visão e ter uma boa qualidade de vida”, enfatiza a médica. Adultos acima de 40 anos devem fazer acompanhamento anual com um oftalmologista. Acima dos 60, essa frequência pode ser mantida, desde que não haja nenhuma alteração no exame do fundo do olho. “Se houver outras complicações como hipertensão e diabetes, o acompanhamento deve ser feito mais de perto”, conclui.

Sobre Paula Carrijo é médica oftalmologista na Olhar+ Clínica de Olhos, que fica no Uberlândia Medical Center. Fez especialização na Fundação Altino Ventura (FAV) em Recife-PE e um Fellowship em retina clínica e vítreo no Hospital Evangélico de Belo Horizonte-MG. Reconhecida pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologista (CBO), atua na área de retina e é oftalmologista da clínica dedicada à saúde visual do idoso, mas atende adultos de todas as idades.

 

Cristiane Guimarãeshttps://naoperdenao.com.br/
Cristiane Guimarães é Comunicadora Social com habilitação em jornalismo e atua há mais de 20 anos no mercado. Apaixonada pela profissão é colunista social, produtora e assessora de imprensa. O blog é uma junção de tudo que ama e que acha válido de ser compartilhado. Seja bem-vindo a esta página que festeja a sua presença! Entre em Contato: [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
  • Android e muito mais

Postagens Populares

Sertanejos João Vitor e T...

Os amantes da boa música ...

Setembro Verde: Adotar há...

Tumor que se desenvolve n...

Presidente da AMIF partic...

Adriana Maugeri está entr...

Programa Trilha de Sexta ...

Cantores e bandas indepen...

Comentários Recentes