quinta-feira, novembro 26, 2020
Home Destaque 8 Maus hábito...

8 Maus hábitos que indicam boas características

Cada pessoa no mundo tem um mau hábito, e, não raramente, mais de um. Muitas vezes pensamos que esses hábitos são apenas tentativas negativas de se livrar deles, e algumas pessoas têm até vergonha deles. No entanto, quanto mais pesquisas são feitas sobre esses comportamentos, mais claro se torna que alguns desses traços pessoais são realmente indicadores de boas características, como inteligência ou otimismo.
Abaixo, reunimos 8 maus hábitos comuns que, contrariamente à crença popular, podem ser um bom sinal em uma pessoa.

Roer as unhas
Até 25% das crianças chupam o polegar ou roem as unhas, e o último geralmente continua na idade adulta. Geralmente, as pessoas que roem as unhas são incentivadas a parare, embora não seja o hábito mais higiênico, um estudo publicado na revista Pediatrics sugere que roer unhas também tem um efeito positivo.
Os pesquisadores acompanharam 1.000 crianças a partir dos 5 anos de idade. Quando tinham 5, 7,8 e 11 anos, foi perguntado aos pais se as crianças roíam as unhas ou chupavam o polegar. Cerca de um terço das crianças apresentaram um ou ambos os hábitos. Quando as crianças participantes completaram 13 e 32 anos, foram testadas quanto a alergias. O grupo que habitualmente roía as unhas ou chupava os polegares quando crianças provou ter 40% menos probabilidade de desenvolver alergias. Dito isso, os autores da pesquisa observaram que isso não significa que os pais devem incentivar os filhos a roer as unhas, pois isso pode danificar a pele ao redor da unha, tornando-a mais suscetível a infecções.

Procrastinar
A procrastinação tem sido um tema bem debatido na literatura nos últimos anos, com muitos especialistas tentando decifrar o que acontece e o que pode ser feito para superá-la. Uma teoria sugere que a procrastinação é um sinal de inteligência e não preguiça, pois permite à pessoa que se engaja nele a esperar o momento certo para executar uma tarefa. Em outras palavras, a tendência à procrastinação aumenta a criatividade, porque você tem a chance de desenvolver grandes idéias.
Os psicólogos da Wharton, Adam Grant, apontaram Steve Jobs como um exemplo. “O tempo em que Steve Jobs adiava as coisas e pensava em possibilidades era um tempo bem gasto ao deixar idéias mais divergentes surgirem, em vez de mergulhar nas mais convencionais, óbvias e familiares”, disse ele em uma entrevista com o Business Insider.

Estar sempre atrasado(a)
Estar atrasado cronicamente pode realmente interferir na vida social e profissional de uma pessoa, pois pode fazê-la parecer desorganizada e até desrespeitosa. Em uma entrevista ao NY Times, Linda DeLonzor, autora do livro de auto-ajuda Never Be Late Again, explicou que o atraso pode realmente indicar alto otimismo, em vez de falta de cortesia.
“Muitas pessoas atrasadas tendem a ser otimistas e irreais, ela disse, e isso afeta a percepção do tempo. Eles realmente acreditam que podem correr, pegar suas roupas na lavanderia, comprar mantimentos e deixar as crianças na escola em uma hora”, disse DeLonzor.

Dizer palavrões
Alguns podem instintivamente vincular palavrões a uma pessoa que tem uma mente simples ou um vocabulário pobre, mas a pesquisa na verdade prova o contrário. Um estudo publicado na Language Sciences encontrou evidências que sugerem que a fluência dos palavrões está realmente ligada à fluência do idioma que está sendo falado (no caso do estudo, em inglês).
Optamos por dizer palavrões em diferentes situações para diferentes propósitos: expressar emoções fortes, rir e às vezes ser deliberadamente ofensivo. Isso e a correlação com a fluência da linguagem sugerem que o palavrão é uma característica da linguagem que as pessoas articulam para comunicar sua mensagem com a máxima eficácia.

Mascar chicletes
Mascar chiclete em certas situações sociais, como uma entrevista de emprego, é considerado rude ou brega. No entanto, não há mal em fazê-lo quando você estiver sozinho ou quando a circunstância permitir. De fato, vários estudos mostraram até que mascar chiclete pode ajudar as pessoas a ficarem mais alertas. Por exemplo, uma pesquisa descobriu que pessoas que mascavam chiclete tiveram um desempenho melhor em testes de inteligência do que pessoas que não o fizeram. Outra pesquisa sugeriu que a ação da mastigação aumenta o bom humor, reduzindo os níveis do hormônio do estresse cortisol.

Área de trabalho bagunçada
Sua mesa de trabalho está sempre cheia de papéis, canetas e bagunçada? Pode não ser um problema tão grande. Uma pesquisa de 2015 sugeriu que a bagunça leva as pessoas a serem mais orientadas para objetivos, uma vez que as leva a buscar ordem em algum lugar … geralmente em idéias e tarefas relacionadas ao trabalho.
Por mais contra-intuitivo que isso pareça, a noção de que uma mesa limpa é igual a trabalhador produtivo é um conceito de meados do século XX. Curiosamente, ao longo da história, os gênios sempre foram retratados na arte com mesas de trabalho desarrumadas.

Fazer fofoca
A fofoca tende a ter uma conotação negativa, mas também existe uma forma positiva de fofoca, que é feita para ajudar alguém. Segundo a pesquisa, envolver-se em fofocas pró-sociais pode fazer você se sentir melhor. No estudo, um grupo de participantes observou pessoas jogando um jogo de confiança, durante o qual alguns jogadores trapacearam. Nesses momentos, o aumento da frequência cardíaca foi registrado em muitos dos participantes. Os pesquisadores deram aos participantes a opção de enviar aos jogadores um bilhete sobre o que eles quisessem  nota durante o jogo. Cerca da metade deles optou por informar os jogadores sobre as maneiras desonestas dos trapaceiros. Depois que os remetentes se envolveram em fofocas pró-sociais, seus batimentos cardíacos diminuíram e eles relataram sentir-se melhor.

Usar “bengalas discursivas”
O uso frequente de “bengalas discursivas” como “humm”, “né”, “entendeu”, “quero dizer” e o infame “tipo” pode fazer com que você pareça não profissional, hesitante ou pior, apenas não muito inteligente. No entanto, há uma quantidade não-insignificante de estudos que sugerem que nossos preconceitos em relação a essas palavras não são justificados.
Um desses estudos revelou que pessoas altamente conscientes de si mesmas e educadas têm maior probabilidade de usar palavras mais delicadas numa conversa. É também um sinal de que o palestrante leva um momento para pensar no que está prestes a dizer. Dito isto, não se pode negar que o uso excessivo dessas expressões pode nos fazer parecer menos articulados. Steven D. Cohen, professor assistente de comunicação da Universidade de Baltimore, sugere simplesmente tentar substituir algumas dessas palavras por uma pausa. “Uma simples pausa pode ter um impacto dramático no uso de bengalas discursivas e na forma como as outras pessoas nos percebem”, disse ele ao site  Quartz.

Cristiane Guimarãeshttps://naoperdenao.com.br/
Cristiane Guimarães é Comunicadora Social com habilitação em jornalismo e atua há mais de 20 anos no mercado. Apaixonada pela profissão é colunista social, produtora e assessora de imprensa. O blog é uma junção de tudo que ama e que acha válido de ser compartilhado. Seja bem-vindo a esta página que festeja a sua presença! Entre em Contato: [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
  • Android e muito mais

Postagens Populares

10 motivos para o seu cac...

Muitas pessoas acham que ...

Uberlândia recebe exposiç...

Referência internacional,...

Hopi Hari promove atração...

O evento Dark Christmas: ...

Hospital do Câncer em Ube...

Iniciativa mundial, que a...

Comentários Recentes