sábado, setembro 19, 2020
Home Destaque Microchip em ...

Microchip em pets: vale a pena implantar?

Para a veterinária Adriana Souza dos Santos, da AmahVet, recurso oferece segurança aos animais e tutores ao dificultar casos de furto ou oportunismo

 

O uso de microchip de identificação em qualquer animal comercializado é obrigatório em diversas regiões do Brasil, no entanto, muita gente não entende a importância da tecnologia. Para a veterinária Adriana Souza dos Santos, clínica geral da AmahVet, o equipamento garante segurança para o caso do pet estar perdido ou ser roubado, uma vez que armazena um código único, ligado às informações de contato do proprietário do animal. “Alguns acreditam que uma simples identificação pode resolver o caso, mas há casos de pessoas desonestas que se apropriam dos animais e não querem devolvê-los. Isso ocorre por conta da perda da coleira de identificação, furtos ou roubos”, alerta a profissional.

Segundo ela, a aplicação é rápida e praticamente indolor. “Ter um microchip inserido por uma agulha hipodérmica causa o mesmo desconforto que qualquer injeção – uma picadinha e acabou. O microchip é inserido sob a pele, que começa a incorporá-lo e fixá-lo dentro de 24 horas, evitando que ele se mova. Existe uma chance de que o microchip se mexa um pouco, mas  não vai ficar perdido no corpo do pet”, garante.

Apesar de sua importância para evitar conflitos sobre a posse de um animal nem todo mundo tem o conhecimento de que a ferramenta existe, por isso o microchip deve ser visto como uma proteção extra e não como substituto da plaquinha de identificação, sobretudo nesse momento de ‘volta à normalidade’, em que os tutores estão passeando mais com seus animais de estimação. “Uma coleira com identificação legível e atualizada ainda é a melhor forma de reencontrar um pet, porque permite que uma pessoa comum que o encontre na rua entre em contato imediato com o dono”, destaca. Ainda segundo a especialista, ao encontrar um animal perdido e sem identificação, o ideal é levá-lo a um veterinário ou ao Centro de Controle de Zoonoses do município para checar se existe algum registro, ainda que sob a pele do bichinho. 

O mini circuito geralmente armazena o endereço residencial ou comercial do tutor, números de telefone, cor da pelagem, nome do animal e dos tutores e alguma característica individual de cada pet, que pode ser uma manchinha ou até um probleminha genético, como a ausência de um dedo ou um rabinho torto. E atenção, o implante deve ser feito somente por um Médico Veterinário. “Assim é possível garantir a higiene correta, a rapidez que evita o estresse do bichinho e segurança do procedimento”, finaliza Adriana.

Cristiane Guimarãeshttps://naoperdenao.com.br/
Cristiane Guimarães é Comunicadora Social com habilitação em jornalismo e atua há mais de 20 anos no mercado. Apaixonada pela profissão é colunista social, produtora e assessora de imprensa. O blog é uma junção de tudo que ama e que acha válido de ser compartilhado. Seja bem-vindo a esta página que festeja a sua presença! Entre em Contato: [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
  • Android e muito mais

Postagens Populares

Sertanejos João Vitor e T...

Os amantes da boa música ...

Setembro Verde: Adotar há...

Tumor que se desenvolve n...

Presidente da AMIF partic...

Adriana Maugeri está entr...

Programa Trilha de Sexta ...

Cantores e bandas indepen...

Comentários Recentes