domingo, outubro 25, 2020
Home Destaque Alzheimer: qu...

Alzheimer: quando o esquecimento de coisas recentes deve servir de alerta

Maior complexo hospitalar privado de Uberlândia alerta para doença atingir 152 milhões de pessoas no mundo em 2050.
Uma doença que é progressiva, de origem desconhecida e que ainda não tem cura. O Alzheimer é caracterizado, inicialmente, como um transtorno de memória de caráter progressivo, que pode evoluir com danos irreversíveis no cérebro. O Dia Mundial de Conscientização da Doença de Alzheimer, cuja data é 21 de setembro, tem o objetivo de alertar sobre a doença que afeta cerca de 50 milhões de pessoas no planeta e que considerada a sexta causa de morte nos Estados Unidos, país onde tem grande prevalência.
 De acordo com o  Instituto Alzheimer Brasil (IAB), estima-se que no mundo mais de 50 milhões de pessoas tenham sido diagnosticadas com demência, número que poderá chegar a 74,7 milhões em 2030 e a 152 milhões em 2050, segundo levantamento feito pela Associação Internacional de Alzheimer em 2019.
A  Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), classifica as demências como doenças cerebrais que causam a diminuição progressiva da capacidade cognitiva, alterações de comportamento e perda da funcionalidade. A doença de Alzheimer é apontada como o tipo mais frequente de demência. Ainda de acordo a SBGG, no Brasil das mais de 29 milhões de pessoas acima de 60 anos, aproximadamente dois milhões de pessoas têm demência, sendo que de 40 a 60% delas são do tipo Alzheimer.
Segundo o neurocirurgião do Santa Genoveva Complexo Hospitalar, Marcelo Batista Chioato dos Santos, a evolução global da Doença de Alzheimer pode afetar as funções executivas do cérebro e levar até a dependência completa do paciente. “Ela pode ser classificada como precoce quando acomete pacientes entre 40 e 50 anos e tardia, mais comum a partir de 65 anos”, disse.
“Normalmente, os sintomas iniciais são a perda de memória para fatos recentes, o que chamamos de memória de trabalho, ou de curto prazo. No transcorrer dos sintomas, o paciente vai perdendo progressivamente a capacidade para lembrar ou fazer atividades mais simples, o que as incapacitam para trabalhar ou gerir uma vida civil”, completa.
O neurocirugião avalia que, apesar de possuir fatores de mutação genéticos, a Doença de Alzheimer não é hereditária. “É importante dizer, também, que o tempo de evolução é variável e depende de fatores de maior ou menor predisposição biológica do indivíduo. Sabe-se que pode ser mais rápida e pior no sexo feminino, associado aos fatores hormonais, obesidade, hipertensão arterial, dietas hipercalóricas e processadas industrialmente e sedentarismo. Apesar de não haver novidades no tratamento, a descoberta precoce da Doença de Alzheimer pode retardar a gravidade dos sintomas em médio e longo prazo”, finaliza Marcelo Batista Chioato dos Santos.
Encontro ao vivo
Acontece na próxima quarta-feira (23), às 19h, no Instagram do Santa Genoveva Complexo Hospitalar, uma live com o médico neurocirurgião, Dr. Marcelo Batista Chioato dos Santos, para falar sobre a Doença de Alzheimer.
Cristiane Guimarãeshttps://naoperdenao.com.br/
Cristiane Guimarães é Comunicadora Social com habilitação em jornalismo e atua há mais de 20 anos no mercado. Apaixonada pela profissão é colunista social, produtora e assessora de imprensa. O blog é uma junção de tudo que ama e que acha válido de ser compartilhado. Seja bem-vindo a esta página que festeja a sua presença! Entre em Contato: [email protected]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
  • Android e muito mais

Postagens Populares

Professor Roberto Pessoa ...

O professor do curso de O...

Fundação São Francisco Xa...

Instituição tem promovido...

Sextas musicais

Nesta sexta-feira, dia 23...

Os belos jardins da Ilha ...

Destino português conta c...

Comentários Recentes